26 agosto 2018

Um pouco de história... | Oficina ponto cruz


Vocês sabiam que o ponto cruz é a arte de bordado mais antigo do mundo?
É verdade, vem do tempo dos homens das cavernas quando estes usavam um ponto em cruz para unir as peles de animais com que faziam as roupas que usavam.
Já no Egipto era utilizado para cerzir as roupas da época e os romanos viam o ponto cruz como uma "pintura de agulha".
Tal como hoje o conhecemos, dizem os entendidos, que terá nascido na China, espalhando-se depois pela Europa e Estados Unidos, durante a Idade Média. Pelo menos é nesta altura que as informações começam a ser mais precisas, pois era utilizado para identificar as roupas dos ricos.
Os bordados apresentavam um aspecto algo tosco e eram baseados nos brasões de família.
Foi com o Renascimento que ganhou uma forma mais próxima da actual, sendo utilizados como forma de alfabetização. Tal terá levado a um desenvolvimento da arte mais rápido, que ao mesmo tempo ganha igualmente um cariz decorativo atribuído pela Igreja Católica.
Entretanto no século XVII a linha de algodão foi introduzida no bordado, substituindo os fios de seda ou lã sobre tecido de linhos até então utilizados.
 Os esquemas conhecem um avanço com a chegada de esquemas impressos que eram vendidos na Alemanha e na Itália e daí seguiam para o resto da Europa. Com a distribuição em larga escala de esquemas, o ponto cruz torna-se oficialmente num hobby.
Durante o séc. XVIII acontece uma produção em larga escala de ponto cruz, sendo bordado por toda a gente, independentemente da classe. Eram criados mostruários de peças para facilitar a escolha de desenhos e faziam-se exposições.
Desde a Idade Média até aos nossos dias o ponto cruz não só nunca perdeu o prestígio, como foi crescendo enquanto arte. Os motivos ganharam novas inspirações e a técnica começou a ser usada em diferentes suportes. Tradicionalmente usados para embelezar roupas de cama, panos, toalhas de mesa, rapidamente começaram a ser usados como identificativos dos seus donos.
Hoje em dia é usado em, praticamente, tudo.
Caracteriza-se precisamente por ser um bordado bastante versátil. Facilmente se adapta a tudo. É uma atividade relaxante, que não só não sobrecarrega a mente, como nos leva a um nível de concentração que nos faz esquecer problemas, o mundo lá fora.
Confirmo! :-)

 

Sem comentários:

Publicar um comentário