17 fevereiro 2018

2nd round...

Vamos lá dar continuidade a esta saga. :-D :-D
Há alguns dias atrás foi a altura perfeita para dar início aquela que será a segunda parte do 1º cortinado da minha (futura) cozinha.
Como diz um primo meu: - Temos de começar por algum lado!
Eu comecei pelos cortinados da cozinha. :-) :-) :-)
(Nos entretantos, a minha mãe vai trepando pelas paredes com estas minhas ideias de jerico! :-D :- D:-D )



10 fevereiro 2018

É Carnaval!!!


O carnaval é uma festa popular que surgiu na Antiguidade com intuito de celebrar os deuses pagãos e a natureza. Foi reconhecida pela Igreja e incluída no calendário cristão depois de muitos séculos, ainda hoje é comemorada no mundo inteiro.
É a última festa antes da quaresma. No século XIII, os nobres franceses começaram a promover grandes festas onde era obrigatório o uso de máscaras e roupas luxuosas e, provavelmente, foi assim que surgiram as primeiras festas à fantasia. Essas festas logo ficaram populares entre as altas classes em toda Europa e se espalharam por todo o mundo, sendo comuns atualmente.

Como nasceu...

A origem do carnaval é incerta, mas acredita-se que tenha surgido na Grécia por volta do ano 520 a.C. Era uma festa em que o vinho era fundamental e as pessoas se reuniam em nome do deus Dionísio com a única intenção de se divertirem, celebrar a chegada da primavera e a fertilidade. Esse tipo de comemoração tornou-se popular em Roma durante os primeiros séculos da era cristã.
O nome Carnaval vem de “Carne Vale” e o seu significado está ligado ao facto dessa festa pagã acontecer durante os três dias que antecedem a quaresma, um longo período de privação, era então   uma despedida dos pecados da carne..
Em 1545, depois do concílio de Trento, mudou-se o calendário de Juliano para Gregoriano e o Carnaval passou a ser uma data oficial para os cristãos. Dessa forma, é reconhecida como festa popular de rua que sofreu uma série de modificações culturais até chegar aos dias de hoje.

Por cá...
No calendário português, o Carnaval é um dos mais importantes "ciclos" festivos. Assume particular destaque atualmente nos meios urbanos, mas possui, ao mesmo tempo, ainda características muito próprias nos meios rurais. Aqui é anunciado, por exemplo, ainda antes dos três dias que decorrem entre o Domingo Gordo e a Terça-Feira Gorda, por celebrações preparatórias, dir-se-ia, como, por exemplo, as dos "dias dos compadres e das comadres".

Os antropólogos conotam a estas celebrações rituais de glorificação do próprio grupo sexual no respetivo dia - homens na quinta-feira dos compadres e mulheres na quinta-feira das comadres (esta tradição é muito forte em Lazarim, Lamego). As troças (com uso de chocalhos, como no Alto Alentejo), perseguições e solidariedade dentro de cada grupo (no dia das comadres, até as mães são "contra" os filhos varões e os pais, no dos compadres, "contra" as filhas", por exemplo) são as marcas visíveis destes festejos, para além da exibição de bonecos jocosamente alusivos ao "outro sexo" nos dias de cada grupo (compadres ou comadres). Cotejos próprios de cada grupo ou casamentos fictícios, por sorteio, ocorrem em certas regiões, como no Alentejo. Outras regiões em que as mulheres dão aos homens uma refeição melhorada, no dia das comadres, retribuindo os compadres, no seu dia, aquele favor culinário.

Quanto ao Carnaval propriamente dito, os seus rituais são mais ou menos comuns a todo o País, à exceção dos "cardadores" de Ílhavo ou das danças de Carnaval na ilha Terceira, Açores.

As características do Carnaval em Portugal são, essencialmente, quatro:

- ausência completa de restrições alimentares quantitativas e qualitativas, com a ingestão de carnes de toda a espécie, desde a orelheira no Norte ao galo em outras regiões, para além das sobremesas da quadra como o arroz doce e as filhoses. Os bodos são um exemplo festivo desta componente alimentar. Os excessos alimentares carnavalescos são entendidos, por outro lado, como contraponto aos jejuns e abstinências quaresmais.

- uso de máscaras, essenciais nos festejos mas sem relação alguma com rituais específicos, como noutras regiões da Europa (Veneza, Colónia...)

- exibição e destruição de manequins/bonecos de tipo burlesco, com carácter jocoso, visível nas paródias aos enterros (como o do "João").

- As "pulhas" carnavalescas, ou sátiras de acusação e provocação, direta e humorística, por vezes com tom ofensivo.

Estas três últimas constantes revelam outra oposição - a da transversão ou subversão momentâneas da ordem normal (sem desacatos organizados), licenciosidade, certa rutura, excessos - à Quaresma, tempo de rigor e disciplina, contenção e discrição.

Os mais conhecidos carnavais de Portugal são os de Loulé, Ovar, Torres Vedras, Canas de Senhorim, Madeira, Alcobaça ou da Mealhada, alguns mesclados com tradições importadas - do Brasil ou de Itália - mas espontaneamente assimiladas pelos foliões portugueses e perfeitamente enquadradas no carácter de liberdade e animação popular.
As máscaras...

No Carnaval o recurso aos trabalhos manuais ou diy (do it yourself) é muito comum. Permite não só usar a imaginação, reciclar coisas velhas, como poupar imenso dinheiro e ter uma máscara única e diferente de todas.
Para além disso durante o processo de construção passamos bons momentos em família, uma vez que todos podem participar.
Na internet não faltam exemplos e tutoriais de como fazer máscaras simples, divertidas, baratas e para todas as idades. Basta uma simples pesquisa e surgem centenas de sugestões...
exemplo 3

Ainda vão a tempo de preparar as vossas e depois é só ir para a rua festejar!!

BOM CARNAVAL!!!

03 fevereiro 2018

Outlet Mãos de Fada

Outlet | s. m.
Estabelecimento comercial de retalho onde se vendem produtos de uma marca ou fabricante a preços reduzidos.

 in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
 
Este cantinho está bem longe de ser um estabelecimento comercial (e muito menos tem esse objectivo ou pretensão!!).
É um simples espaço onde partilho as minhas experiências e aventuras pelo mundo do feito à mão. A venda desses produtos surgiu, como já por aqui contei, como uma sugestão (entre outras) para me ajudar a sustentar este meu vício. :-) :-) :-)

No entanto, sendo eu uma aficionada por boas compras e por outlets pensei em trazer esse conceito para este cantinho. E assim surge o OUTLET MÃOS DE FADA.
Um espaço que dá oportunidade a quem pretende comprar produtos artesanais e únicos a bons preços de o fazer. :-)
Se gostam de descontos saibam que todos os produtos disponíveis no outlet da Mãos de Fada têm 35% de desconto.

Visitem!!!

É só clicar no separador ali em cima!! :-) :-)
 
E não se esqueçam que ao adquirir um produto Mãos de Fada estão a contribuir para um projecto MUITO especial!!!

27 janeiro 2018

Tic tac, tic tac | Relógio de cozinha


Medir o tempo é uma necessidade tão antiga quanto a Humanidade.
Conta-se que nos primórdios o Homem recorria ao sol e a sombras para marcar o tempo. Entretanto, dado a sua inutilidade nocturna, rapidamente o Homem percebeu que teria de recorrer a outros instrumentos para o fazer.
Alguns historiadores afirmam que o primeiro relógio mecânico da história tenha sido criado em 725 a.C e tratava-se de um complexo sistema de engrenagens que utilizava sessenta baldes de água, cada um representando um segundo.
Entretanto, só se tem notícias da criação de instrumento semelhante no final do século XIII. De qualquer forma, podemos dizer que os relógios até então eram bastante limitados e não apresentavam uma boa precisão e eram utilizados apenas na astronomia ou para medir o tempo de atividades específicas.
A Revolução Industrial trouxe uma nova realidade: tornou-se necessária a medição exata das horas de serviço dos trabalhadores.
Assim, em 1830, o físico italiano Giuseppe Zamboni deu uma importante contribuição para a evolução do relógio ao colocar um pêndulo à base de eletricidade para medir as horas. Isto foi o prelúdio para o surgimento dos relógios elétricos, novidade que representou uma verdadeira revolução para o campo relojoeiro.
O primeiro relógio que faz uso de cristais de quartzo para marcar o tempo foi desenvolvido em 1930, nos Estados Unidos.
Contudo, o mesmo possuía dimensões enormes e consumia muita energia.
Tal realidade só mudou a partir do desenvolvimento da eletrônica ao longo do século XX, aspeto que permitiu a criação dos primeiros relógios eletrônicos: pequenos, práticos e económicos.




Atualmente, o relógio é presença obrigatória no nosso dia-a-dia.
Seja porque nos ajuda a ter uma noção mais exata do tempo. Porque nos ajuda a controlá-lo de uma forma mais eficiente Porque nos ajuda a cumprir horários e a chegar a horas. Porque completamenta de forma perfeita o outfit do dia.
Seja porque motivo for, o relógio é essencial hoje em dia.






*INDISPONÍVEL*
Disponível por encomenda

20 janeiro 2018

Mais uma contribuição!!




 
O fim de um ano trás consigo sempre o fim de um ciclo.
E quando se finda algo é hábito fazer-se uma reflexão e um fecho de contas.
Hoje foi dia de "fechar as contas" do nosso projecto relativamente a 2017.
Isto porque em novembro terminei uma encomenda e ainda não tinha tido tempo para pagar a "dívida" ao nosso mealheiro. Mas dívidas são dívidas e são para pagar.
E como o mês de janeiro é mês de regularizar o que está em atraso e recomeçar hoje tirei a manhã para me dedicar a este projecto.
Assim, paguei a minha dívida e documentei-a devidamente (como mostra a reportagem fotográfica), escrevi este post e passei algum tempo a definir melhor este projecto. Gostava de em 2018 me dedicar mais a ele e "perdi" algum tempo a pensar em estratégias para o fazer.
Vamos ver o que o futuro nos reserva...
E vocês já encerraram 2017 definitivamente?

10 janeiro 2018

sobre o mês de janeiro...



Todos os anos começam de uma forma especial: com um feriado!!!
E digam-me lá há melhor forma de começar um ano que que ter tempo para vegetar no sofá, a ver um filme e a enfardar bolo-rei torrado? Acho que não!! 😁😁😁
Por aqui este costuma igualmente ser um dia dedicado à reflexão e ao planeamento do novo ano.
Reflexão do que correu bem e menos bem no ano que termina e reflexão das melhorias que podemos fazer para que no futuro sejamos melhores.
Todos os anos há sempre novos objetivos e metas que queremos cumprir e planeando-os garantimos, de alguma forma, que levamos a cabo todos os esforços para os atingir.
Nesta tarefa eu gosto sempre de recorrer à minha agenda.
Ela é uma companhia indispensável para garantir que não só cumpro todas as tarefas no dia-a-dia, como não me esqueço de nada e como os objetivos que defini no início do ano não são esquecidos.
E é claro que gosto sempre de personalizá-la ao meu gosto quer seja no seu interior (como aliás é evidente na foto! 😄😄😄), seja no seu exterior (a minha agenda do trabalho tem sempre um vestido muito giro!!😃😃😃)
Eu não vivo sem a minha agenda!! Ela está sempre comigo!!
E vocês usam agenda?

02 janeiro 2018

A (minha) agenda do artesão...

Antes de mais nada: SÊ MUITO BEM-VINDO 2018!!!
Que sejas um ano muito feliz e pleno de conquistas!!


Google imagens

Há duas ferramentas que são companheiras indispensáveis para qualquer artesão: o caderno das ideias, onde apontamos ideias, criamos produtos, gerimos encomendas... (que pode e deve estar sempre bem "vestido" 😉)
E um calendário que, muitas vezes, assume mesmo a forma de agenda, onde apontamos os dias festivos, os prazos de encomendas, as épocas a ter em conta, gerimos tarefas... (também ela pode e deve estar sempre muito "elegante" 😉)







Eu sou apologista que as nossas coisas devem ser isso mesmo: NOSSAS!!
A nossa imagem, o nosso reflexo, a nossa cara, o nosso estilo. Como tal devem ser úteis, práticas e funcionais para nós que as usamos diariamente.
E a nossa agenda deve ser isso mesmo. Uma extensão de nós. Só assim pode realmente ajudar-nos.
No meu caso, na minha agenda há SEMPRE um lugar especial para os meus crafts.
Eu uso uma Filofax. Sou uma grande fã deste tipo de agenda, pois acho-as muito práticas e versáteis (e para quem está sempre a inventar na sua organização isso é muito importante), além de fáceis e leves de transportar.
Na minha agenda eu gosto de apontar as datas/épocas festivas. Tenho também sempre sítio para apontar prazos, planear tarefas, agendar posts,...
Gosto de recorrer a um planner mensal para ter uma visualização geral do mês e assim organizar-me melhor.
No entanto, e aqui entra a funcionalidade e a versatilidade da Filofax, pelo facto de recorrer a este tipo de agenda que parece um dossier em miniatura, permite-me ter espaço e sítio concreto para o meu caderno de ideias, onde vou apontando ideias, criando produtos...
Desta forma consigo agrupar as duas ferramentas numa só, sem que isso implique andar com vários cadernos atrás.
One life, one planner!!!

E como em muitos outros aspectos da minha vida gosto de a personalizar, de lhe dar a "minha cara".
Divirto-me e acaba por ser uma forma de relaxamento para mim.
Além disso, ajuda-me a manter-me focada e interessada.
Como sou uma pessoa muito visual gosto de escrever, desenhar, colocar no papel as minhas ideias, projectos, maluqueiras. Gosto de lhes dar vida no papel para depois as concretizar na vida real.
E, no caso, da organização isso ajuda-me muito.

E vocês como se organizam para dar conta de tudo?